segunda-feira, 4 de abril de 2011

Não entendo todos os pais do mundo...

Na verdade, não consigo entender tanta diferença de pensamento entre seres humanos...
Não entendo o motivo de ser tão fácil para alguns não valorizar a vida alheia e tão caro para outros a vida de seus pares...
Pois aqui em Curitiba um caso recente me deixou REALMENTE chocada...Um casal que não conseguia ter filhos naturalmente optou pela inseminação artificial. Não sendo ignorantes, eles estavam cientes de todos os riscos, inclusive de gravidez múltipla, e assim levaram a cabo o procedimento.
A "mãe" engravidou de 3 crianças. Eles levaram a gravidez até o fim. No momento do parto, o pai ESCOLHEU duas das três crianças para levar com ele. Sim! Ele tinha ido ao balcão do médico, tinha comprado 2 filhos, ganhado um "extra", um "plus", ou um "bônus", mas, como não o queria, estava rejeitando-o ali, ainda na sala de cirurgia...TÁ?
Tá...Pelo menos nesse caso houve alguma coerência em todos os que podiam intervir e o "papai" e a "mamãe" pagaram, mas não levaram, porque perderam as 3 crianças...
Há muitos anos eu leio sobre adoção. Sempre me incomodei muito com o tema. Talvez porque uma vizinha da minha mãe havia adotado uma menina - e a humilhava, batia e maltratava diariamente...Talvez porque já vi tantos casos de pessoas que adotaram e não cuidaram com dignidade da criança adotada...
Mas, por favor, estou falando do lado podre disso tudo. Quem adotou e tem uma relação saudável e feliz, por favor, não se ofenda com o que escrevo aqui. Tem muita gente desrespeitando o instituto da adoção e é disso que falo aqui, tá?
Eu sempre vi muita falta de respeito nessa relação...O que é uma inocerência quando você vê aqueles singelos casais quase chorando na TV porque esperam muito para adotar uma criança...Parece "escola Nardoni" de teatro...
Eu sempre defendi em sala que a adoção precisava ser encarada pelos pais como um ato social. Eu acolho uma criança em situaçao de abandono para dar-lhe uma vida digna, justa, fazê-la crescer como ser humano, realizar-se.
Uma aluna que tinha uma filha adotada disse-me que filho adotado é filho.
Ele é filho porque a lei assim diz, mas você não se reconhecerá nos olhos daquela criança. Logo, se é isso que se procura, inveitavelmente haverá frustração adiante. E muitos casais que conseguem ter filhos biológicos acabam por rejeitas seus filhos adotados ou mesmo devolvê-los ao Estado...
É uma loucura! Começa pela criança a adotar! No Brasil a preferência é por crianças brancas. Não se quer adotar uma criança morena ou negra...Preferem meninas aos meninos...
Já li um estudo de uma advogada do sul do país registrando que aqui no sul os que querem adotar, querem: meninas, loiras, olhos claros, menores de 3 anos....
Tem dados no Brasil que mostram que 99% dos que querem adotar procuram crianças de até 1 ano...
Ou seja, eles agem como se buscassem seu bebê...E o que fazer com a maioria das crianças que estão em abrigos e já tem 5, 6, 7 anos, ou mais idade?
Não defendemos no Brasil a adoção como um ato social, de acolhimento. E, sinceramente, o Brasil só ganharia com isso! Aquelas crianças podem ter ajuda, apoio emocional, uma casa, um parentesco que se ergue pela vontade de ajudar um ser humano a crescer.
E como falar disso sem lembrar daquela procuradora que torturava a criança que estava sob sua guarda?
Não se faz estatística nacional sobre isso, mas nos Estados é possível saber que as devoluções de crianças adotadas é muito comum e chega em alguns lugares a 40%!!!
Pediu, escolheu o que tinha, comprou e não gostou...Devolveu, ué! Assim, da pior forma possível...Assim, uma criança objeto de consumo...
Sabe quando a gente fica falando que nosso filho vai ser biólogo, bailarina, estudioso etc etc? Aí, nosso filho vai ficando mentiroso, vadio, insolente...E a gente continua achando que ele é tudo aquilo de antes? Isso só acontece com os filhos biológicos!
Quando se trata de filhos adotados, o real dói mais, bate à cara dos pais e eles não aceitam os defeitos dos filhos adotados...Horror? Gente, e não é o mesmo veneno das sogras que acham que as noras não sao tão boas quanto as filhas delas; das cunhadas que só sabem por defeito nas cunhadas; na culpa de todos os problemas que é sempre de quem não é sangue do sangue...
As filhas biológicas nunca são promíscuas para suas mamães, porém, a filha adotada é. O filho biológico nunca é um mau filho para a mamãe, mas o filho adotado é... E ninguém reflete o quanto isso tem de relacional, de convivência familiar, de anos de relações mal construídas entre adotados e adotantes...
É impressionante como não expressam a menor preocupação com os sentimentos de inferioridade e humilhação que perturbam tanto os adotados...Só acham que eles deveriam ser eternamente agradecidos por terem sido adotados...
Uma vizinha minha tem filhos biológicos muito mal educados. Mas, ela conversa todos as vezes comigo sobre a agressividade e comportamento terrível da filha, que é adotada...Ela nunca disse que sua neta negra é bonita - filha da sua filha adotada. Mas, quando a outra netinha nasceu, dizia: "ela é tão branquinha!!"
Alguns promotores deixaram de assistir a isso quietos e já conseguiram que os pais que devolvem as crianças paguem-lhes pensão. Menos mal, né? E, também, a arcar com tratamentos psicológicos da criança. Isso tem que virar rotina!
Mesmo com todos os cuidados do Estado, não há como garantir que a família adotiva não vá torturar emocionalmente o adotado, humilhá-lo e torná-lo empregado doméstico da família...Nessa situação, os vizinhos é que podem denunciar. Eu já denunciei uma mulher que humilhava e maltratava uma criança pouco maior que minha filha...Nada foi feito...Nada...Isso é muito triste...
Porque as pessoas estão perdendo o compromisso com a dignidade, com a decência, com a integridade física e a beleza da vida...
Nunca apoiarei violência, por menor que seja, do tapinha à chinelada. Estamos ensinando a violência uns aos outros e tornando isso um ciclo difícil de quebrar: desrespeito, humilhação, violência.
crianças merecem dignidade e integridade física igual a todos os seres humanos. Elas não são menos traumatizadas ou tão estúpidas assim que só aprendam com castigos e palmadas...Quando algumas pessoas vão descobrir o quanto estão sendo estúpidas com as crianças?
Um princípio do qual não podemos abrir mão, para o nosso bem, é a dignidade de nossa condição de seres humanos, em qualquer idade, em qualquer país. Aliás, país, idade, cor, cabelo, olhos isso tudo é tão ínfimo e é tão ridículo vangloriar-se disso ou denegrir os outros...
Ridículo...
...
Gilda

2 comentários:

Claudia disse...

Entendo perfeitamente o seu ponto de vista, mas defender que a adoção deva ter um pepel social é muito perigoso num país onde se acha que adoção é um ato de bondade. Oras, deve-se adotar pelo mesmo motivo egoísta com que se engravida: Parater um filho.
A sua elaboração acerca dos quesitos de busca pelo filho que não veio é muito fundamentada e realmente é pauta de debate nos grupos de adoção. Sinto que não passei por esse problema pq nunca me senti feliz com a ideia de passar os meus genes problemáticos para as próximas gerações.
Beijocas para vc e sua família linda.

tchan tchan tchan tchannnn disse...

Oi, claudia, querida!
talvez seja mesmo mais dificil ainda adotar para ajudar um ser humano...eu acho que nossa educaçao em todos os aspectos é muito egoísta...só ajudamos os mais proximso da familia e algum amigo mais proximo...os outros, bem...
mas, se pelo menos os que buscam a adoçao ou inseminaçao ja se comportassem como pais, né? seria melhor! Rs
beijos!