quinta-feira, 11 de dezembro de 2008

É aquela história...

A Manuela nem nasceu ainda, mas já estamos a pensar sobre os próximos anos...Rs.
Planejávamos ir ao Chile ano passado, mas saíram as chaves da nossa casa e nos mudamos. Plano adiado para janeiro de 2009. Engravidei...Plano adiado...Rs.
Agora, Manuela nascerá em abril ou maio...Rs. Meio de semestre! Para uma professora isso é relevante sim...Rs.
Nos aniversários da Manuela, eu estarei no olho do furacão das provas e semestres letivos. E ela, também. Rs. Mas, ela comemorará com os amigos da escola. Meses como janeiro e julho são dificeis de se conseguir reunir amigos para festejar aniversário. Que o digam os que nascem em 01/01, ou 20/07...
A pequena Geórgia, filha da minha amiga karin, completará um aninho no dia 12 de abril. Hum! Será que a Manuela vai esperar? Rs.
E 2009...Rs. Eu queria que o natal fosse aqui, que nossos parentes pudessem vir passar o natal conosco, mas já vi que não conseguiremos isso. Mais fácil será levar a Manuela para Belém no natal. Ela já estará com 7-8 meses e bem espertinha para sorrir para todos. Rs.
Antonio usará suas férias para o primeiro mês da Manuela, e depois só poderá tirar férias de novo a partir de abril de 2010...Quando Manuela completará 1 aninho.
Até lá a idéia é que façamos várias pequenas viagens com a Manuela, para perto daqui mesmo, em feriados (ano que vem serã muitos), para nos acostumarmos a carregar nossa pequena conosco.
E como em abril, eu estarei em aula, provavelmente só conseguiremos fazer uma viagem grande de novo em julho. Então, podemos retomar os planos de ir ao Chile ou levar minha petit para a França. Vamos ver!
O ano que vem ainda está indefinido pra mim, porque tentarei fazer o segundo semestre da faculdade, também. Já estou pesquisando creches aqui perto para colocar a Manuela em um lugar bem legal, enquanto eu estiver em aula. Como uma pedagoga me disse, as crianças que entram na escola desde a creche não tem problema algum de adpatação à escola e evoluem mais rápido nas aulas do que as crianças que passam o primeiro ano interinho se adaptando. Bom!
Essa questão mesmo da escola e creche é assunto para uma postagem específica.
Aqui em Curitiba o governo estadual e municipal investem muito em creches para que as mãe possam voltar ao trabalho enquanto seus bebês ficam aos cuidados de profissionais. Na minha opinião, não há o que comparar o seu bebê ficar com uma profissional da educação ao invés de ficar com uma babá, que, quase sempre, nem estudo tem, só deseduca o bebê.
É acompanhar a babá do meu sobrinho, por exemplo, que adora uma TV e fica convencendo meu sobrinho a ficar assistindo à TV direto. E que passa o dia comendo e dando comida a ele, para disfaçar. Sem contar a outra babá, que tinha amigas numa favela e ia pra lá com meu sobrinho e a minha irmã só descobriu porque viu a babá voltando de lá. Ah, nem pensar!
A moça que me ajuda aqui em casa me foi bem recomendada. Mas, ela é evangélica, não gosta nem limpar cinzeiro porque ela odeia cigarro, odeia bebida, fala errado, detesta vitaminas, faz cara torta toda vez que eu tomo vitaminas, só come bem se eu fizer arroz, feijão e bife. Outras comidas, ela mal come, Um terço da xícara dela é de açucar, ela tem 28 anos, é hipertensa e louca por açucar e sal. Quando Antonio cozinha, ela detesta e fica jogando sal direto na comida. Eu que cozinho em casa, porque não tenho coragem para fazê-la cozinhar, ela não toma remédio para a pressão, não vai ao médico ou leva a filha ao médico a não ser em casos extremos. Como admitir que uma pessoa que tem essa cabeça possa ser responsável pelo meu filho algumas horas por dia? Nunca, é uma insensatez absoluta!
E os exemplos se multiplicam de agressões cometidas por babás e as pessoas parecem não ver isso. Minha tia contou, há uns dois anos, que um amigo das minhas primas que mora em São Paulo, estava em Belém para consultar um especialista, porque o filho dele parou de falar, por trauma no tratamento que a babá dava a ele. O pai é médico e não percebeu os abusos da babá. É sério demais esse assunto.
Em um episódio de mothern, uma série muito legal da GNT, sobre mães modernas, uma das mães procurava uma babá pro filho e só aparecia doida ou babá que fazia tudo do seu jeito...Rs...Engraçado, mas é assim mesmo.
Bem, todo cuidado é pouco, até mesmo em uma creche, mas que os riscos em uma excelente creche são bem menores, isso saão! além do que, a Manuela estará com outras crianças, fazendo brincadeiras educativas e tornando seu tempo mais lúdico e útil!
Beijos!!!
Gilda e Manú

3 comentários:

Carolina disse...

Gildinha,

Vc está certíssima!
Creche é a melhor opção, fora que as crianças adoram e evoluem mais rápido.
Bjs querida!
Carol

Andréa Rocha disse...

Concordo com muitos pontos dos teus comentarios entre creche e babas. Mas confesso que eu adoraria deixar minha pequenina em casa com uma baba boa e de confiança em vez de leva-la cedinho pra creche e enfrentar as mil viroses que eles pegam em contato com as outras crianças tao cedinho. Eu sei que uma baba assim é raro, mas existe (meus primos David e Lia foram criados por um anjo assim, a Néia). A Magali vai ter que ir pra creche com 10 meses e meio em agosto, quando eu tiver que voltar a trabalhar.

Anônimo disse...

Gildinha,

Por acaso o dia 20/07, foi para mim? ahauhauhau

É verdade que não pude comemorar aniversários com os coleguinhas.

Muitas saudades!!

Bjs.

Keylla